Montesclareou

Páginas

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Montes Claros anseia por chuvas, mas que caiam de forma moderada

Créditos do vídeo: Edemir Dé Bikes

A cena ocorrida neste vídeo foi em Venda Nova, região de Belo Horizonte. Vendo estas imagens muitos devem se lembrar das enchentes que ocorreram em Montes Claros em anos anteriores. Ano após ano cenas como esta vêm se repetindo em vários cantos do mundo. E uma das razões para que enchentes como esta ocorram de forma sistemática é devido a impermeabilização do solo pelo asfalto.

Uma das soluções para este problema seria apostar por uma pavimentação permeável, facilitando a drenagem das águas das chuvas em nossos solos e consequentemente alimentando nossos lençóis freáticos. A ampliação de nossas calçadas com materiais permeáveis juntamente com o plantio de árvores, por todas as ruas da cidade, é de uma necessidade imperiosa, urgente.

Estes conselhos que damos não são novos, em maio de 2013 já alertávamos sobre o problema do trânsito e das ruas de Montes Claros, onde na ocasião comparamos a cidade de Montes Claros com a cidade de Vigo, na Espanha.

Estará o nosso prefeito, juntamente com nossos vereadores e deputados, impelidos a implantar soluções simples, como as que propomos em outro artigo citado, mas que ao mesmo tempo se mostraram bastantes eficazes ou teremos que esperar por novas eleições e novas opções de gente comprometida com a melhoria de nossa cidade e do nosso povo?

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Sorria policial, você está sendo filmado


Em 2008 escrevi para o jornal montesclaros.com a seguinte frase: “Todos com celulares à mão, seremos como uma espécie de repórteres do futuro. Registraremos tudo em qualquer parte e com isso ajudaremos na resolução de muitos crimes que hoje ficam impunes. Seremos uma espécie de cidadão-policial. Estaremos melhor informados. Faremos partes de comunidades virtuais e juntos exerceremos uma força maior para discutirmos e resolvermos os nossos problemas.”

Hoje praticamente qualquer criança a partir dos 12 anos de idade tem um celular com câmera e tecnologia WiFi, que se conecta à internet. E muitos crimes vêm sendo solucionados graças a participação popular. Hoje nos informamos mais online e qualquer fato relevante que acontece em qualquer parte do mundo, chega ao nosso conhecimento em questão de minutos. O que antes levava anos.

Recentemente mais um caso de violência policial veio sujar as páginas da nossa Montes Claros. E mais uma vez o caso repercutiu graças a participação popular. Alguns meses atrás, o caso Amarildo, onde 25 policiais militares estão sendo acusados de tortura, ocultação de cadáver, fraude processual e formação de quadrilha, contribuiu para que a população brasileira, juntamente com os órgãos de direitos humanos, repensassem sobre o verdadeiro papel da polícia militar.

Para Jair Krischke, militante dos direitos humanos, “as polícias militares do Brasil foram criadas por um decreto-lei da Ditadura”. Segundo ele “não tem que haver polícia militar coisa nenhuma, mas, sim, uma polícia civil, tem de ser uma polícia de carreira, como se faz na Europa. A pessoa entra como um servidor policial comum e pode chegar — na medida em que vai frequentando cursos — a ser chefe da polícia.”

Os abusos de poder no entanto não pararam. Dá-se na verdade a impressão de que tais abusos aumentaram, mas o que acontece realmente é que o que aumentou foi o número de denúncias por parte dos cidadãos-vigilantes. Graças às mídias independentes, como a Mídia Ninja, que ficamos conhecendo a ação truculenta da polícia militar de Belo Horizonte, onde ficou célebre a frase “vocês são o câncer do mundo e deviam todos morrer”, dita aos manifestantes que protestavam contra a Copa.

Nem advogados escapam de certas ações truculentas da polícia, como foi o caso de Benedito Roberto Barbosa, que é advogado do Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos. E o que podemos dizer sobre o abuso de poder por parte da polícia contra Everton Rodrigues, ativista do movimento Software Livre, que tirou uma foto de um carro de polícia que estava estacionado em cima da calçada? Como poderá depois o cidadão acreditar na versão policial de que Everton Rodrigues foi detido por “caminhar de forma apressada”?

Num levantamento obtido pela Ponte.org, PMs de São Paulo mataram mais de 10 mil pessoas. Conforme o jornalista André Caramante “entre 2008 e 2012, a PM paulista matou 9,5 vezes mais do que todas as polícias dos Estados Unidos juntas durante o trabalho de policiamento.” É um cenário de guerra onde os próprios militares também acabam morrendo.

Não podemos voltar ao pensamento medieval de olho por olho e dente por dente, se assim for todos terminaremos cegos e banguelos. O que o cidadão de bem quer é paz e segurança. Se por um lado existem os bandidos que amedrontam e aterrorizam, do outro lado devemos contar com a polícia que promulga o bem e apazígua os conflitos. Uma polícia que seja exemplo de bondade, que saiba dialogar, que impõe respeito mas sabendo respeitar.

O bandido é que deve temer ser filmado e é por causa disso que as câmeras de vigilância se propagam nas residências e comércios. Assim como é o infrator de trânsito que deve temer as câmeras de controle de velocidade (radares). O cidadão de bem que respeita as leis de trânsito não precisa temê-las. Se um politico teme que alguém filme suas falas na câmera municipal, então é porque tem algo errado e ele tem algo a dever. Se um policial teme que seja filmado em qualquer abordagem, então é porque ele sabe que a lei não está do seu lado, porque suas suas ações são ilegais. E o que tem de comum entre políticos e policiais? Ambos existem para favorecer o povo, um criando leis, outro para certificar que as leis sejam cumpridas. São portanto funcionários do povo.

Talvez alguns policiais brasileiros não saibam ainda, como o vídeo demonstrou que a polícia de Montes Claros parece não saber, hoje em dia é muito comum, e está cada vez mais se consolidando, o cidadão repórter. Vários meios de comunicação já divulgam reportagens realizados por estes cidadãos que, com um celular nas mãos, criam furos de reportagens.

 Na Inglaterra, por exemplo, temos o brasileiro Charles Veitch, que também é um cidadão britânico, onde ele é um destes “cidadão repórter e ativista”. Seu canal The Love Police (A polícia do Amor) cada vez mais vem ganhando popularidade, justamente por filmar as abordagens policiais e denunciar seus crimes e os crimes cometidos por empresas e também por bancos. Com uma câmera numa mão e um megafone na outra, ele vai divulgando seu trabalho, que é o de conscientizar a polícia para ela se transformar de uma polícia da violência para uma polícia do amor. E não há nada que as policias britânicas possam fazer. E olha que a violência da polícia britânica nem se compara com a violência da polícia brasileira.

Portanto, o policial brasileiro deveria se portar como qualquer outro cidadão quando entra dentro de um supermercado ou loja, onde se depara com aquele típico anúncio de “Sorria, você está sendo filmado”. Seria bom que a polícia militar de Montes Claros pudesse promover mais amor e menos terror. Já basta a violência no nosso dia a dia. Precisamos de agentes da paz!

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Cuidados na hora de viajar de avião. Saiba quais são os seus direitos.

Para quem teve problemas nos voos saindo de Montes Claros e também nos voos saindo de Belo Horizonte com destino à Montes Claros, é bom conhecer quais são os direitos que assistem os consumidores em casos de atrasos e cancelamentos dos voos. Para isso disponibilizamos um vídeo informativo onde o advogado Marcos Dessaune, que é especializado em direitos do consumidor, tira várias dúvidas.  

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Está passando da hora de Montes Claros ter a sua primeira rua asfaltada


A primeira vez que tive contato com o asfalto foi no Japão, que foi o primeiro país que migrei. E como diz o ditado popular“a primeira vez a gente nunca esquece”, posso testificar que para mim esta primeira experiência, com o asfalto, foi algo inolvidável, que não sai da minha memória. Lembro como se fosse hoje, as viagens que fazia entre Fujiyoshida e Tokyo, onde as faixas pintadas na via expressa, que liga estas duas cidades, a Chuo Expressway, pareciam refletores pintados no chão, quando eram iluminadas pelos faróis dos carros. Dentro da cidade de Fujiyoshida, que é uma cidade relativamente pequena, com cerca de 50.000 habitantes, as ruas pareciam verdadeiros tapetes. Mas não esses tapetes comuns, pareciam tapetes persas.

Agora deixando de lado as minhas doces memórias e encarando a triste e vergonhosa realidade da cidade de Montes Claros, me deparo com a caótica situação de nossas ruas: o piche que cobria o cascalho, primeiramente se dilatou com o calor para depois se dissolver com as chuvas. O piche esvaiu-se e sobraram crateras. Quem anda pelas ruas de Montes Claros parece andar por solo lunar. Dizem que a prova Rali Dakar é a mais dura prova do automobilismo todo terreno (off road). Era, já não é a prova mais dura prova. Para os viciados em adrenalina e amantes das sensações perigosas, não há aventura mais perigosa que a de trafegar na BR 251 no trecho que liga Montes Claros a BR 116. Rali Paris-Dakar é para os fracos. Quero ver é sobreviver na BR 251 ou ver se os carros resistem às crateras montes-clarinas.

Alô Cofap, Nakata, Monroe e demais fabricantes de amortecedores, Montes Claros está precisando de uma fábrica aqui. Para vocês, fabricantes de amortecedores, também será interessante e bastante lucrativo, já que não precisariam mais dispender dinheiro na aquisição daquelas máquinas que testam os amortecedores e boa parte das vendas já estaria garantida apenas com o comércio local. Pensem nisso.

Hoje em dia se ouve muito falar no direito de ir e vir, sem ser molestado. Mas em Montes Claros esse direito não se aplica amplamente, pois somos constantemente molestados, independentemente se andamos a pé, de bicicleta ou de carro. Muitos dos montes-clarenses que querem exercer o seu direito de ir e vir, jamais chegam ao seu destino e dos que chegam, outros tantos jamais retornam sãos e salvos. E as nossas ruas e estradas contribuem significativamente para aumentar as estatísticas de vidas que são ceifadas a diário.

Penso que já passou da hora de Montes Claros ter a sua primeira rua asfaltada. O asfalto a que me refiro aqui não deve ser confundido com a película fina de piche que se derrama sobre as nossas ruas de cascalho ou de calçamento de pedras. A pavimentação de uma rua geralmente tem várias camadas até receber a última camada asfáltica. O dia em que Montes Claros tiver a sua primeira rua asfaltada, penso que deveria ser decretado feriado municipal neste dia e também erguer uma estátua com o busto do prefeito que ousou sair do comodismo, que vem acometendo os nossos últimos chefes administrativos, para imortalizá-lo perante as próximas gerações.

A situação das ruas de Montes Claros está tão caótica, que um simples asfalto é motivo de comemoração. Mas isso é porque o nosso povo não é devidamente esclarecido. Se fosse, não precisaríamos celebrar o básico e o óbvio. Não teríamos chegado a atual situação. Sim, se a nossa população fosse devidamente esclarecida, nossos últimos prefeitos estariam por detrás das grades ou respondendo por inúmeros processos por participação direta e indireta nas mortes que ocorrem nas nossas ruas.

O pai que deixa o filho menor brincar com arma de fogo é o verdadeiro responsável pelos riscos que possam surgir. A mãe descuidada que deixa a filha brincar na cozinha com as panelas no fogo, é a responsável pelos acidentes que venham ocorrer. O dono de uma construtora é corresponsável por todo acidente que venha a ocorrer em suas obras. Da mesma forma, todo prefeito é corresponsável pelos acidentes e mortes ocasionados devido a má conservação das ruas das cidades que administra.

Quando os condutores de veículos tomarem conhecimento de que devem processar a prefeitura pela má conservação das ruas e a prefeitura quando tomar ciência de que pagar para trocar pneus, amortecedores, fazer balanceamentos em carros e indenizar as vítimas dos acidentes, sai bem mais caro, ai sim teremos investimentos em máquinas para fazer asfalto.

E outra coisa, depois que colocarmos uns dois ou três prefeitos na cadeia, seja por improbidade administrativa ou pela participação nos acidentes ou assassinatos nas nossas ruas, os próximos prefeitos que tiverem coragem e ombridade para se candidatarem, com certeza serão mais cautelosos, precavidos e mais responsáveis com o povo que ele representa. O bom é que estamos caminhando para esse nível de esclarecimento, ainda que em passos lentos. Mas o mais importante é saber que o primeiro passo já foi dado, basta observar os movimentos nas redes sociais e a manifestação popular como a do grupo Ocupa a Câmera de Montes Claros.

sábado, 30 de novembro de 2013

“Se eu pudesse, eu mesmo dava um couro nela”

No dia 25 de Novembro comemorou-se o Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Mas essa luta, esse esforço, que os cidadãos de consciência mais elevada vêm travando no mundo inteiro, infelizmente não é percebido e nem apreciado por todos. Muitos nem sequer têm a devida noção que, apesar de ser uma data simbólica, a luta deve ser diária e que os esforços para combater este e outros tipos de violência devem partir de todos os segmentos da sociedade.

Montes Claros não é diferente das demais cidades brasileiras, ela também vem ajudando a engordar as estatísticas crescentes das mulheres que vêm sendo covardemente violentadas nos últimos anos. Mas o que talvez diferencie Montes Claros das demais cidades, é que a violência contra as mulheres é incentivada e estimulada justamente por aqueles que deveriam dar o exemplo de combate a este tipo de crime. Estou falando do "pastor" Altemar, que além de ser um líder religioso é também um vereador desta cidade e que no dia 26 de Novembro, um dia após a data escolhida para combater a violência contra as mulheres e que é celebrada em todo o mundo, deu esta triste entrevista para a imprensa.

Fatos como este ajudam a reforçar a tese de que a cidade de Montes Claros carece de líderes competentes, que lute pela cidade, mas que principalmente saiba dar o devido exemplo. Infelizmente a fala deste que se diz representante de Deus e do povo, acaba passando uma mensagem que pode ser interpretada da seguinte forma: “aqueles que puderem, devem dar um couro nas mulheres que têm um comportamento semelhante ao de Iara Pimentel”. É justamente isso o que muitos fiéis, e não somente eles, poderão interpretar na fala deste senhor que se diz pastor.

Apenas com esta fala, o "pastor" Altemar já demonstra que não tem competência para ser representante do povo na Câmera Municipal de Montes Claros. Posso ir mais além, com esta fala, o referido "pastor" também não tem a mínima competência para representar os fiéis de qualquer templo ou igreja, pois demonstrou não ter gabarito algum para falar em nome de Deus. Pelo menos não no Deus da Justiça e do Amor.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Operação Lei Seca em Montes Claros




Montes Claros teve no último fim de semana; quinta (14), sexta (15) e sábado (16), a Operação Lei Seca, “Sou pela Vida, Dirijo sem Bebida”, onde foram abordados 1726 veículos, com 11 carteiras de habilitação recolhidas, 90 veículos retidos e 52 removidos, de acordo com informações do G1 Grande Minas. 

A conversa que girou, em boa parte, nas mesas dos bares e nas reuniões familiares neste fim de semana, foi sobre como burlar o bafômetro (etilômetro). O brasileiro procura de todas as formas encontrar um “jeitinho” para tentar se livrar da multa, recorrendo a métodos variados sem nenhuma comprovação científica, fazendo dele um “expert da burrice”, nestes casos. 

As táticas incluem em tomar café, mastigar chiclete, chupar gelo e, pasmem, até “mastigar jornal para tirar o odor do álcool”. Há também aqueles que “garantem” que o vinagre pode inibir o odor, ingerindo uma pequena quantidade antes de soprar no bafômetro. Isso porque “o ácido acético (denominação química do vinagre) reage com a cetona, dando como resultado o acetato, que é indetectável no bafômetro”. Mas essa notícia também não passa de um mito sem nenhuma comprovação científica favorável ao uso do vinagre, ou de qualquer outra tática usada. 

Testes realizados pela equipe de TV do Paraná, Curitiba, mostraram que o vinagre que é consumido nas saladas, e que contém álcool, não foram detectados nos testes. Ou seja, o álcool do vinagre que é consumido nas saladas não foram detectados nos testes com o bafômetro, mas isso não faz do vinagre um agente inibidor do álcool que é ingerido através das bebidas alcoólicas. 

A melhor forma de evitar as multas, a perda de pontos na carteira de habilitação ou a suspensão do direito de dirigir, é não combinar bebida e volante. O condutor consciente faz uso do transporte coletivo quando quer beber ou utiliza estratégias como o rodízio de condutores, onde é feito um revezamento entre os condutores sendo que um deles fica sem consumir bebida alcoólica alguma, para poder levar o restante do grupo em segurança para as suas casas e sem pôr em risco, também, a vida de terceiros.